O Copo Não Está Vázio!

 

Quando eu tinha 16 anos, ouvi um bom amigo fazendo um sermão dizer algo que achei interessante.

Ele disse que tinha nascido num lar Cristão e desde criança servia ao Senhor.

Assim como eu.

Também disse que tinha notado que o seu relacionamento com Deus parecia ter sido muito mais profundo na infância, e que a medida que ele ia ficando adulto (ele tinha o dobro da minha idade) esse relacionamento ia perdendo profundidade.

Assim como eu estava começando a perceber.

Aos 16 eu já me lembrava de momentos do meu passado de profunda entrega e emoção.

Momentos realmente intensos de contato com Deus.

E a medida que fui envelhecendo, isso foi diminuindo.

Era disso que meu amigo falava ao pregar. Então ele deu um exemplo:

“É como um copo de água. Quando se é pequeno, você bebe um copinho de água e fica satisfeito. Mas parece que quanto mais adulto você vai se tornando, mais água você precisa por naquele copo para satisfazer-se. A impressão que dá, é que o copo está sempre vazio”.

Aquela ilustração me acertou em cheio.

Eu tinha certeza que aquele era um fenómeno real, embora não soubesse porque ele acontecia.

O tempo passou. E o meu copo foi precisando de mais água.

Confesso que por muitas vezes eu consegui “encher” da presença de Deus.

Mas a frequência em que isso ocorria ia diminuindo.

Até que, foi começando a se tornar rara.

E isso é muito estranho.

Porque nunca tive tanto conhecimento a respeito de Deus (não que seja suficiente, nunca será).

Nunca fiz tanto a Sua obra.

Nunca me envolvi tanto com a missão.

Nunca tive hábitos tão transformados.

Como não O percebo mais?

Foi então que Ele quebrou o silêncio mais uma vez.

E me respondeu como quem fala a um amigo.

Rápida, sucintamente, sem cerimônias e sem estouros de rojão ou fogos de artifício (diferente daquela maneira como comumente nos sentimos quando percebemos que Deus falou sobrenaturalmente conosco).

Me respondeu no meu tom. Sem causar em mim a euforia comum da adolescência: “Deus Falou comigo! Ele existe! É Real! Eu o ví! Uhuuuuul!”

Não. Foi sereno, tranquilo, íntimo e comum.

Deu até vontade de dizer assim: “Agora é assim então Senhor?! Sem cerimônias!?”

Mas eu tive a impressão de que Ele diria: “É!”

Então eu me contive e fiquei apenas pensando no que Ele tinha me respondido.

Que resposta! No nervo do que eu precisava.

De repente fui tomado de assalto por um outro pensamento.

Resposta como aquela, sempre estivera presente em minha vida, ainda mais nos últimos anos.

Algumas eu as tenho Twittado ou Compartilhado no Facebook.

Coisas que eu pensava serem comuns, na verdade sempre foram baseadas na palavra de Deus.

Insights comuns…

Opa!

Que maravilha de descoberta!

O copo não está vázio!

Nunca mais esteve, desde que encontrei a Cristo!

É isso!

Muito pelo contrário!

O copo está cheio e trasbordante! Por isso não sinto mais aquela sensação de sede saciada.

Não tenho mais sede!

Quando começamos a conhecer a Deus, estamos sedentos. Não temos nada, e não sabemos nada sobre o nosso Criador.

É como viver num deserto, e quando você recebe um copo d’água.

Um copinho sequer.

Aquilo é de um prazer inenarrável!

É como descer uma montanha russa.

É como uma virada de ano.

É sair da morte para a vida, num dos atos mais simples!

Nenhuma experiência ao beber água é realmente significativa se você não estiver flertando com a sede mortal.

Mas que valor se dá a água quando se tem ela sempre?

Qual é a sensação de sede que alguém, banhando se em um rio limpido e abundante, pode ter?

O sentimento é enganoso demais.

Naquela resposta de Deus pra mim eu percebi que Ele sempre esteve do meu lado.

O tempo todo!

Era a voz de sempre, com as respostas de sempre!

As respostas certas, na hora certa, sempre me lembrando da Sua Palavra e me ensinando o que eu não tenho naturalmente como amor e paciência.

Na verdade meu copo não estava vazio, estava boiando no rio de água viva!

overflowing cup

E eu nunca mais tive sede.

A presença constante e real de Deus , torna sua presença constante cada vez mais indispensável e tão real que chega a ser natural como respirar.

Não comemoro mais, ou lanço foguetes de alegria, porque Deus falou comigo, afinal, Ele faz isso sempre.

E como tudo que fazemos naturalmente, e não percebemos mais.

Temos a tendência de acreditar que uma vez que encontramos com Cristo isso que nos impactou de maneira emocional e impressionante, a medida que nos aproximarmos mais dEle, continuará a ocorrer e cada vez mais intensidamente.

Nada mais fantasioso.

Tão certo quanto um namorado fica empolgado ao encontrar a sua namorada pela segunda vez,  e já não é mais a mesma coisa depois de 20 anos de casamento e intimidade…

O Sobrenatural, vai se tornando natural, a medida que sua fé aumenta.

Deus está aqui.

Ele está sempre por perto.

Vê tudo. Acompanha tudo.

Me protege, me guarda dos perigos externos e internos.

Me aconselha. Me aponta o caminho.

Me chacoalha e me empurra quando preciso.

Ahhh, agora eu entendi:

“aquele, porém, que beber da água que eu lhe der nunca mais terá sede; pelo contrário, a água que eu lhe der será nele uma fonte a jorrar para a vida eterna”. (João 4:14)

Não há sede pra quem tem “uma fonte a jorrar para a vida eterna”.

Esqueça o copo, esqueça o sentimentalismo religiosos e entenda de uma vez por todas.

Seu Salvador está ai com você.

“Até a consumação dos séculos”. (Mat 28:20)

Aprenda a ouvir Sua voz.

É a mesma voz da Bíblia.